Um departamento francês de ultramar

Estudos sobre a formação da cultura filosófica uspiana (uma experiência dos anos 1960) [1994]

Autores

Paulo Eduardo Arantes

Sinopse

Este livro se insere, explicitamente, como atesta seu subtítulo – Estudos sobre a Formação da Cultura Filosófica Uspiana –, num esforço da nossa historiografia de reconstruir linhas evolutivas mais ou menos contínuas, isto é, num projeto que privilegia períodos de formação. Nesta série – que inclui, entre outros, Formação do Brasil Contemporâneo, de Caio Prado Jr., e Formação Econômica do Brasil, de Celso Furtado –, Paulo Arantes aproxima-se mais do horizonte teórico do Antonio Candido de Formação da Literatura Brasileira, seja pelo assunto – o vir-a-ser de um sistema cultural que, superando os surtos desgarrados e as curiosidades intelectuais avulsas, estabeleceu, pelo entrelaçamento de obras e de problemas específicos, um “filtro” à oferta internacional de teoria e modelos –, ou seja pela descrição não-normativa da acumulação material da experiência intelectual por meio de uma rotina que descambou, enquanto resultado coletivo, na força produtiva histórica de uma vida filosófica efetiva. Não se trata, porém, da reconstrução histórica de um período de acumulação. Este Um Departamento Francês de Ultramar é ele próprio uma contraprova da constituição de uma continuidade filosófica no Brasil. Afinal, retoma, em suas características e delineamentos principais, de forma crítica e abrangente, o trabalho de seus predecessores (não apenas de Cruz Costa, o malogrado historiador da filosofia brasileira, mas também dos membros daquela geração que nos anos 1960 completou o ciclo formativo da filosofia brasileira). Arantes amplia o escopo do ensaísmo filosófico implantado entre nós por Bento Prado Jr., ao incorporar a sociologia e a história ao diálogo, proposto por este, entre literatura e filosofia, fazendo do momento expressivo – em vez de uma forma de revelação do espaço rarefeito da linguagem – um elemento indispensável da investigação, sempre mediada, de objetos já pré-formados culturalmente. Examinando a “crença na co-naturalidade entre filosofia e literatura”, Arantes desvenda não só os pressupostos da concepção de Bento Prado – a teoria de um “absoluto literário” –, como também atinge “o miolo vulnerável da Ideologia Francesa da literatura”. O mesmo fio, de dois gumes, permite que se decifre a cultura europeia, o mundial, o centro e a vida intelectual brasileira, o nacional, a periferia.

Esse fio resulta – dito de forma brusca – da experiência intelectual e social brasileira, que nos induz, de certo modo, ao “sentimento da dialética”. Transposta assim para um solo histórico, reencontramos a mesma preocupação de Giannotti e Ruy Fausto acerca do significado da dialética que deu origem ao capítulo brasileiro – que Arantes com este livro, de certa forma, reinventa – do marxismo ocidental.

(Ricardo Musse, orelha da versão impressa)

Também disponibilizamos para download o número especial do Caderno Mais! da Folha de S.Paulo (6 de fevereiro de 1994), dedicado ao lançamento do livro, com o título "A aventura da Filosofia Paulista". Nele, Paulo é entrevistado por Fernando de Barros e Silva e Vinícius Torres Freire. 

Palavras-chave: Filosofia e Literatura, Cultura filosófica, USP,  Missão francesa, Anos 1960, Filosofia no Brasil, Formação, Método estrutural, Jean Maugué, Víctor Goldschmitt, Martial Gueroult, Gérard Lebrun, Gilles-Gaston Granger, João Cruz Costa, Bento Prado Jr,  José Arthur Giannotti, Oswaldo Porchat, Ruy Fausto.

Licença

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

ISBN

978-65-00-24023-8

Detalhes sobre essa publicação