Um ponto cego no projeto moderno de Jürgen Habermas

Arquitetura e dimensão estética depois das vanguardas [1992]

Autores

Otília Beatriz Fiori Arantes
Paulo Eduardo Arantes

Sinopse

Redigido em 1990, o  presente escrito é uma versão ampliada a quatro mãos de um estudo original de Otília Arantes, apresentado com o mesmo título no Simpósio Internacional “Brasil Século XXI”, em novembro de 1988, na Unicamp. As datas importam também por remeter a todo um debate transcorrido ao longo dos anos 80 sobre a flagrante incongruência da exceção aberta por Jürgen Habermas ao Movimento Moderno, no mesmo momento em que o filósofo declarava obsoleto o paradigma da produção, chancelando a tremenda reestruturação produtiva que estava mudando para pior a cara do capitalismo. Fica ainda mais incompreensível a operação de salvamento preconizada por Habermas, sabendo-se que o Movimento da Arquitetura Moderna nada mais era do que a mais abrangente e acabada personificação da Utopia Técnica do Trabalho e da civilização estético-maquinista do século XX. Ignorando os ímpetos sistêmicos de todo aqueles impulsos que tornavam funcional a utopia de fundir num só bloco o viés estético do Construtivismo às mais elementares finalidades sociais, Habermas foi multiplicando distinções categoriais ad hoc enquanto descrevia o esgotamento do Estado Social, do qual justamente a Ideologia do Plano era mais do que fachada legitimadora, na verdade coluna de sustentação de qualquer iniciativa urbanística. A tentativa de identificação das razões de tamanho disparate histórico foi sem dúvida o disparador do presente estudo acerca do envelhecimento estrutural do Movimento Moderno. O desencaixe que Habermas não viu, ou por outra, a funcionalização integral que lhe escapou e converteu em apologia cega, saltava aos olhos, era a evidência mesma, para qualquer um, armado pelo espírito crítico local, que se dispusesse a examinar as razões da involução formalista, entre outras anomalias, inerentes ao arco completo cumprido pelo Movimento Moderno, que a verdade daquele triunfo internacional foi aos poucos desnudando.

 

Palavras-chave: Habermas, Modernidade, Projeto Moderno, Movimento Moderno, Pós-modernismo, Ideologia, Arquitetura, Nova Construção, Urbanismo, Plano, Utopia, Trabalho, Ação Comunicativa, Linguistic Turn, Iluminismo, Razão, Teoria Crítica, Welfare, Brasil, Brasília, Adorno, Benjamin, Wellmer, Peter Bürger.

Licença

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

ISBN

978-65-00-17384-0

Detalhes sobre essa publicação