Zonas de espera

Uma digressão sobre o tempo morto da nova onda punitiva contemporânea [2012]

Autores

Paulo Eduardo Arantes

Sinopse

Uma tremenda mutação temporal virou de ponta cabeça o mundo que o capitalismo vencedor está reorganizando e governando. Mutação cuja fratura exposta se encontra justamente na virada punitiva operada pelo estado bifurcado estudado por Loïc Wacquant. São duas esperas: uma disciplinadora da insegurança social alimentada pela inquietação do trabalho desqualificado; outra envenenando a euforia perpétua das novas classes confortáveis que o capital costuma acariciar com uma mão e infernizar com uma outra. A forma predominante de intervenção em nome da ordem que a guerra contemporânea assumiu é tributária de uma virada punitiva onde a desmedida reina, da estratégia de Choque e Pavor ao desenho do arsenal cirúrgico concebido para gravar a memória perene da dor na mente de seus alvos preferenciais, novamente disseminados pelas populações liminares do mundo-fronteira contemporâneo, entendendo-se por fronteira toda sorte de barreira por cuja terra de ninguém (social, econômica, simbólica, etc.) campeia o peso morto do poder punitivo despertado de sua sonolência social pelos novos Estados do Workfare.

Publicado originalmente em 2012 como capítulo em Vera Malaguti Batista (Org.). Loïc Wacquant e a questão penal no capitalismo neoliberal. Rio de Janeiro: Revan, p. 229-280; e posteriormente como capítulo em Paulo Arantes. O novo tempo do mundo. São Paulo: Boitempo, 2014, p.141-198.

Palavras-chave: Estado de Exceção, Loïc Wacquant, Giorgio Agamben, Trabalho, Encarceramento, Refugiados, Geopolítica, Contemporaneidade, Capitalismo, Horizonte de espera, Ernst Bloch, Territórios ocupados, Palestina.

Categorias

Licença

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

ISBN

978-65-00-11890-2

Detalhes sobre essa publicação